Go to Top

Futuro da Educação – Sugata Mitra

Uma das pessoas mais inspiradoras na área de educação é o Sugata Mitra que é um cientista educacional indiano que realizou experimentos de autodidatismo na Índia e comprovou que as crianças possuem uma incrível capacidade de aprender quando estão em um ambiente propício ao aprendizado.

Ele começou com um experimento em 1999 que foi colocar um computador embutido em uma parede em Nova Delhi na Índia e descobriu que “as crianças irão aprender a fazer aquilo que quiserem aprender“. O experimento mostrou que as crianças em grupo, ao redor do computador com acesso à internet conseguem aprender de forma autodidata, mesmo sem saber inglês.

Vejam meu post sobre “Tecnologia, internet e educação – Sugata Mitra” no qual explico o experimento.

Neste artigo, quero falar sobre o projeto de Escola nas Nuvens (School in the Cloud) que foi premiado em 2013 com o TED Prize que investe U$ 1 milhão em ideias poderosas que tem o potencial de inspirar e mudar o mundo.

Fiz uma seleção de trechos da palestra, pois acho fundamental assistirmos e estudarmos este tema com profunidade. Publiquei no Slideshare.

“O meu desejo é ajudar a projetar um futuro para o aprendizado,ajudando crianças do mundo todo a utilizarem sua curiosidade e habilidade de trabalhar juntos. Ajudem-me a construir essa escola. Ela será chamada de “Escola na Nuvem”.Será uma escola onde crianças entram em aventuras intelectuais,guiadas por grandes questões trazidas por seus mediadores.” Sugata Mitra

O pilar do projeto são ambientes de aprendizado chamados SOLE (Self-Organized Learning Environments).

sugata-mitra-sole-toolkit

Trecho inicial da palestra de Sugata Mitra

Qual será o futuro do aprendizado?

Eu tenho um plano, mas para que eu possa contar que plano é esse, preciso contar uma pequena história pra vocês, que vai preparar o terreno.

Eu tentei analisar de onde… o tipo de aprendizado que temos nas escolas, de onde ele veio? E você pode olhar para o passado, mas se analisarmos a escolarização como ela é hoje, é bem fácil descobrir de onde ela veio. Veio cerca de 300 anos atrás, e veio do último e maior dos impérios deste planeta. [“O Império Britânico”] Imagine tentar comandar o show, tentar comandar o planeta inteiro, sem computadores, sem telefones, com informações escritas à mão em papel, e viajando em navios. Mas os vitorianos realmente o fizeram. O que eles fizeram foi incrível. Eles criaram um computador global feito de pessoas. Ele ainda está conosco hoje. É a chamada máquina administrativa burocrática. Para que essa máquina siga funcionando, você precisa de muitas e muitas pessoas. Eles fizeram outra máquina para produzir essas pessoas: a escola. As escolas produziriam as pessoas que depois se tornariam parte da máquina administrativa burocrática. Elas devem ser idênticas umas às outras. E devem saber três coisas: devem ter uma boa caligrafia, pois a informação é escrita à mão; devem saber ler; e devem ser capazes de fazer multiplicação, divisão, adição e subtração de cabeça. Devem ser idênticas ao ponto de você poder selecionar uma da Nova Zelândia e enviá-la ao Canadá, onde ela seria imediatamente funcional. Os vitorianos eram grandes engenheiros. Eles criaram um sistema tão robusto que ainda está conosco hoje, continuamente produzindo pessoas idênticas para uma máquina que não existe mais. O império se foi, então o que estamos fazendo com esse modelo que produz essas pessoas idênticas, e o que vamos fazer em seguida, se algum dia fizermos algo diferente com isso?

“As escolas como as conhecemos estão obsoletas”

Eis um comentário bem forte. Eu disse que as escolas como as conhecemos estão obsoletas. Não estou dizendo que estão falidas. Está muito na moda dizer que o sistema educacional está falido. Não está falido. Ele é incrivelmente estruturado. Só que não precisamos mais dele. Está desatualizado. Quais são os tipos de trabalho que temos hoje? Bom, os escrivães são os computadores. Em cada escritório há centenas deles. E temos pessoas que operam esses computadores para realizar trabalhos burocráticos.Essas pessoas não precisam ter uma caligrafia maravilhosa. Elas não precisam saber multiplicar números de cabeça. Elas precisam ser capazes de ler. Na verdade, elas precisam saber ler com discernimento.

Bom, isso é hoje, mas nem sabemos como serão os trabalhos do futuro. Sabemos que as pessoas vão trabalhar de onde quiserem, quando quiserem, da forma que quiserem. Como a educação dos dias atuais vai prepará-las para esse mundo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *