Go to Top

Economia do Presente – Valorizando as relações pessoais

Outro dia, Guilherme Criscuolo – um dos melhores designers de Prezi que conheço – me indicou uma matéria sobre um webdesigner que parou de cobrar por seus serviços e criar sites como um “presente” para seus clientes. A sua remuneração passou a ser espontânea e adivinhem! Ele passou a ganhar mais do que quando fazia orçamentos.

Vejam um trecho da matéria:

“Adrian Hoppel é um webdesigner da Filadélfia e há alguns anos decidiu que não queria trabalhar em um emprego tradicional.

Se isso já parece arriscado para um adulto com uma família e filho pequeno  para criar, Hoppel foi além. Decidiu por uma mudança ainda mais radical e parou de cobrar dinheiro por seu trabalho. Em vez disso, começou a operar dentro do que chamou de “economia do presente”.

Hoppel explicou em seu blog sua nova filosofia. “Se nós decidirmos trabalhar juntos, eu vou construir um site como um presente. Depois que estiver pronto, eu o entrego a você. Então, se considerar que o projeto valeu a pena, pode escolher algo justo como presente. Não há nenhum contrato, nenhuma negociação, nenhuma pressão.” Fonte: PEGN

Dois pilares da Economia do Presente são a GENEROSIDADE e RECIPROCIDADE.

Economia do Presente

O que me chamou mais atenção na matéria foi a expressão “Economia do Presente”. Achei incrível, pois resume grande parte do que imagino ser uma nova forma de fazer negócios.

Comecei a pesquisar no Google e descobri que já existe algumas pessoas falando sobre o tema, porém a maior parte do conteúdo pode ser encontrado como “GIFT ECONOMY”.

Descobri uma palestra do TEDxITT de Tom Tresser que fala sobre “The Gift Economy”

Ele termina a palestra citando Albert Einstein.

Apresentações Mágicas com Prezi

Tenho praticado o conceito da Economia do Presente no meu curso online de Apresentações Mágicas com Prezi.

Porém, vale apenas para alguns grupos que participo e que tenho um carinho especial.

escolacomasas-elementosimpacthub logo-tedxtalks

Pense Diferente

E você? Qual seria seu valor para atuar na “Economia do Presente”?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *