Histórias das pessoas e do mundo – Aplicativo StoryCorp

Já imaginou como seria as conversas que você teria com pessoas da sua família se fosse a ÚLTIMA CHANCE de falar com elas?

Dave Isay transformou esta pergunta em um projeto que ganhou o prêmio de 1 milhão de dólares no TED Prize. A ideia é coletar conversas de pessoas sobre suas histórias de vida.

Eu havia gravado um vídeo sugerindo que a gente faça entrevistas contando histórias das nossas famílias.

Ajude-nos a iniciar um movimento global para registrar e preservar conversas significativas que resultem em um arquivo digital cada vez maior da sabedoria coletiva da humanidade.

Como registrar história oral com aplicativo do StoryCorps

Quando o radialista Dave Isay tinha uns vinte e poucos anos, ele teve uma conversa significativa com seu pai, que o inspirou a criar um projeto para incentivar as pessoas a gravar suas próprias conversas.

O projeto, StoryCorps, tornou-se realidade em 2003, quando Isay montou um estande de gravação no Terminal Ferroviário em Nova York, convidando as pessoas a entrar na cabine e gravar a conversa enquanto uma pessoa conduzia a entrevista. A ideia do projeto é contar histórias que não teriam sido contadas de outra forma e compartilhá-las com o mundo.

Baixe o Aplicativo StoryCorps.

Em um post de blog que foi publicado no site do TED, Isay deu dicas para a realização de boas entrevistas usando o app StoryCorps. As dicas incluem:

  • Pergunte grandes questões da vida.
  • Dedique toda a sua atenção para a entrevista.
  • Seja um participante ativo na conversa.
  • Lembre-se que não é a “história” que interessa.
  • Diga obrigado.

Fonte: https://ijnet.org/pt-br/story/como-registrar-hist%C3%B3ria-oral-com-aplicativo-do-storycorps

Como histórias familiares moldam a nossa identidade

Por que as histórias familiares são importantes? Elas afetam diretamente como nós nos vemos, nossa capacidade de sucesso, e até mesmo o nosso nível de resiliência.

“Deixa-me te contar uma história sobre quando tinha a sua idade.” Quantos de nós se lembram de ouvir isso de nossos pais na hora de dormir quando éramos crianças? Quantos de nós já dissemos isso aos nossos próprios filhos ou netos? Além do tempo de qualidade para se conectar, que o compartilhamento de histórias familiares pode proporcionar ao seu relacionamento, especialistas e pesquisadores descobriram uma série de benefícios adicionais, tanto para o ouvinte quanto para o contador das histórias.

Estabelecer a Nossa Identidade Central

Histórias familiares afetam diretamente como nos vemos porque nos dão uma ideia de onde viemos e como nos encaixamos em nossa família. Pense em cada história familiar como um fio único em uma tapeçaria tecida com padrões, cores e desenhos bonitos e complexos. Como a tapeçaria, nós somos uma combinação da cultura, da história, e das tradições que nós herdamos de nossas próprias famílias.

A pesquisadora de narrativa familiar Robyn Fivush descobriu que o compartilhamento de histórias familiares contribui para a autoconfiança emergente das crianças, tanto como indivíduo quanto como membro de uma família unificada. Os adolescentes que são capazes de contar detalhes e especificidades das histórias familiares têm maior autoestima e maior resiliência. Nossas histórias familiares nos dão um sentimento de pertencimento e criam uma identidade central que pode ser uma grande fonte de empoderamento.

Fonte: https://www.familysearch.org/blog/pt/como-histrias-familiares-moldam-nossas-identidades/

Isay, um documentarista de rádio, conduziu milhares de entrevistas. Mas mesmo que seja a primeira vez que entreviste alguém, você ainda pode ter uma conversa significativa. Abaixo, cinco dicas de entrevista de Isay para ajudá-lo a maximizar a experiência.

  1. Faça as grandes perguntas da vida. Os fatos são muito menos interessantes do que as questões sobre o amor, os desafios da vida, as influências e o arrependimento. Algumas perguntas importantes a serem feitas: Quem é a pessoa mais gentil com você em sua vida? Pelo que você se sente mais grato? Qual é a sua lembrança mais feliz? Do que você tem mais orgulho? Você consegue se lembrar de uma época em que se sentiu sozinho? Se você morresse de repente esta noite, do que mais se arrependeria de não ter contado a ninguém? “As melhores histórias vêm de perguntas abertas”, diz Isay. “Para a StoryCorps, a única coisa que você não quer fazer é recitar seu currículo. Queremos os aspectos de uma pessoa que não podem ser escritos facilmente, que não foram ditos antes. As grandes questões da vida são as melhores. ”
    .
  2. Concentre sua atenção na entrevista. “O mais importante sobre ouvir é estar muito presente”, diz Isay. “Ter todos os seus dispositivos desligados e conectar-se genuinamente e ouvir ativamente a pessoa com quem você está falando. Quando eu costumava dar entrevistas no rádio, ficava sentado para frente e era quase como um raio laser entre mim e a pessoa com quem estava falando. Freqüentemente, era uma escuta muito intensa, presente, ativa e concentrada. É contra-intuitivo, mas deve parecer exaustivo para você. No final dos 40 minutos, como a pessoa que está ouvindo, você deve estar mais cansado do que a pessoa que está falando ”.
    .
  3. Seja um participante ativo na conversa. Só porque você está ouvindo, não significa que você não pode se envolver. “A escuta ativa não o impede de participar da conversa. Você pode rir, chorar e fazer perguntas complementares. Mas o que você não está fazendo é trazê-lo de volta para você. Seja generoso. Tente não pensar nos seus filhos ou no filme que você vai ver naquela noite. ”
    .
  4. Lembre-se de que não é a “história” que importa. “Quando você está fazendo uma entrevista com a StoryCorps, está criando uma sensação de quem é um ser humano. Você está capturando sua interação com eles e quem eles são como pessoa. A “verdade” de uma história talvez seja mais importante do que o drama de uma história. É a própria experiência da entrevista que importa. ”
    .
  5. Diga obrigado. Conduzir uma entrevista com o StoryCorps significa, ao mesmo tempo, dar o dom de ouvir e ser grato por ter recebido o dom da história de uma pessoa. Isay observa que, durante uma entrevista, as costas de uma pessoa literalmente se endireitam enquanto falam, e que você notará sua própria perspectiva mudando conforme ela fala. E é por isso que um agradecimento sincero é vital no final. Em última análise, StoryCorps trata de reconhecer que cada vida é importante “igual e infinitamente”. Diz Isay: “Estamos sempre gratos”.

Deixe uma resposta