Workshop Lego Serious Play – Play in Company

Ontem participei de um Workshop SURPREENDENTE: Lego Serious Play! Organizado pela Play in Company e facilitado pela Mirian Favaro e Rubens Machado, este workshop utiliza o LEGO como ferramenta para promover o autoconhecimento através de desafios.

Pode ser usada como ferramenta de desenvolvimento pessoal, desenvolvimento de equipes, planejamento estratégico e diversas outras aplicações onde a PARTICIPAÇÃO seja essencial.

Um dos princípios fundamentais da metodologia é o fato das MÃOS terem uma conexão direta com o cérebro inconsciente. Com isso, é possível acessar informações que são representadas através de metáforas que são construídas durante os desafios propostos no workshop.

Além disso, cada mão representa um hemisfério do cérebro, usando o potencial de ambos os lados durante a atividade.

Outra coisa que me surpreendeu é a aplicação da teoria do FLOW que tem como premissa que as pessoas entram em um estado de FLOW (Fluxo) quando são submetidas a uma condição de DESAFIO/HABILIDADES com feedbacks constantes. Este estado somente é possível se o desafio não for excessivamente difícil que levaria a pessoa a um estado de ANSIEDADE, ou se o desafio não for muito fácil o que levaria ao TÉDIO.

Escutem meu podcast com o depoimento sobre o workshop.

Vídeo com resumo do curso 😉

Business Model You

Vejam algumas fotos do Workshop

Lego Serious Play - Play in Company (1)

História

O método surgiu por volta de 1996, quando dois professores –  Johan Roos e Bart Victor  – estavam à procura de alternativas para os resultados convencionais de planejamento estratégico. À época, ambos estavam a trabalhar com o presidente da LEGO Company, Kjeld Kirk Kristiansen, que necessitava de um novo processo estratégico para a sua empresa e que convidou ambos para desenvolvê-lo. Robert Rasmussen, da LEGO, e outro professor, David Owens, também foram convidados a integrar a equipe que acabou por conduzir à criação do produto e da empresa “LEGO Serious Play”.

Roos contribuiu com o desenvolvimento do cenário estratégico, Victor com o do comportamento organizacional, Rasmussen com o das teorias de desenvolvimento e de aprendizado, e Owens com o dos produtos e o processo de refinamento. Juntos, eles teorizaram que as soluções para a LEGO Company poderiam ser encontradas na própria LEGO – eles compreenderam que poderiam usar as peças e elementos LEGO como uma ferramenta para abordar os problemas organizacionais. Roos fundou um braço de pesquisa para prover suporte intelectual para o grupo – a Imagination Lab Foundation,[3]em Lausanne, na Suíça -, enquanto Victor liderou o desenvolvimento de uma empresa de consultoria próximo a Nashville, nos Estados Unidos da América.[4]Como resultado veio a público a primeira aplicação do “LEGO Serious Play”, denominada “Real Time Strategy”.

A partir de então, o LSP foi aplicado como uma ferramenta, a nível de consultoria, em diversas empresas além da própria LEGO, como a DaimlerChrysler, aRoche, a SABMiller, a Tupperware, a Nokia e a Orange. Também tem sido utilizado por organizações sem fins lucrativos e em ONGs, como por exemplo, asAldeias SOS, assim como por departamentos governamentais, como por exemplo o Escritório de Marcas e Patentes na Dinamarca.
Fonte: Wikipedia

Referências:

  • http://www.lego.com/en-us/seriousplay/the-method
  • http://seriousplaypro.com/2015/12/14/9-reasons-why-business-model-innovation-design-thinking-and-lego-serious-play-are-a-perfect-match/
  • www.seriousplay.com
  • http://seriousplaypro.com/
  • http://aspireinterventions.com/hands-mind-speaks/
  • https://pt.wikipedia.org/wiki/LEGO_Serious_Play
  • http://www.autoconhecimento.net.br/homepage/item/3-o-que-e-psicologia-positiva-e-flow/3-o-que-e-psicologia-positiva-e-flow.html?format=html
  • http://gamificando.com.br/2014/11/27/conceito-de-flow-mihaly-csikszentmihalyi/

Deixe uma resposta